segunda-feira, 12 de abril de 2010

Casa- coração

Postado por Djessyka às 13:22
Já ao entrar no portão de casa notei a grama por fazer. Digo por fazer, mas na verdade havia meses que ninguém fazia questão de cortá-la. Julgando com os olhos, a calçada que me levava até a porta de casa não era lavada a muito mais tempo: Tinham incontáveis pegadas de barro misturadas com a sujeira das rodas dos carros que ali estacionavam. A situação do carro na garagem era lamentável: Continuava fácil esboçar qualquer obra de arte na generosa camada de pó que o cobria por completo.

Pobres plantinhas, secas, sem um pingo d'água.

Entrei pela porta da cozinha onde montes e montes de louça suja descansavam sobre a pia, pedindo a piedade de quem passasse por ali. Haviam panelas engorduradas por toda parte. Na mesa, o resto do almoço de hoje misturava-se com alguma louça do almoço de ontem, que já não cabia mais naquela pia. Frutas podres gritavam por socorro enquanto mosquitinhos rodeavam e multiplicavam-se em sua podridão. Perdi a fome.

Resolvi descansar na sala até a hora de sair de novo. Ela fedia mofo. Quanto tempo fazia que não abríamos aquelas janelas? Me perdi nas contas. E quem ainda tinha feito o favor de comer na sala? Tropecei num copo.
Já não lembro mais o que tem nos quadros porque há quanto tempo não vejo aquelas luzes acesas. Os enfeites da estante... Cada um com seu significado... Cobertos de pó: Irreconhecíveis!

Claro que pelo corredor havia evidências de uma tentativa de limpeza: Um pano sujo largado em alguns cantos me mostrava isso, mas nem fiz questão de tirá-los de lá.

Desanimei.

Quando acendi a luz do meu quarto vi papéis por toda parte. A cama não é arrumada há dias, e minhas notas baixíssimas, todas beirando o zero, estavam jogadas algumas aqui, outras mais pra lá.
Na verdade, a bagunça das minhas coisas dentro do meu próprio quarto era o que mais me incomodava. Ao mesmo tempo, era onde eu tinha menos coragem de ameaçar a arrumação: Se eu tirar algo errado do lugar sozinha, arrisca ficar ainda mais errado. Sozinha não.
Sozinha, eu não tenho nem por onde começar.

Só cabia eu. Meu ego e eu.
Não tinha motivos pra arrumar já que ninguém olharia para dentro. Da minha casa, do meu quarto, de mim. Da casa-coração.


13 comentários:

Ani disse...

Ahhh, não apaga não!

Amo você pessoinha!

acho q todos os corações tem uns papéis jogados... hehe

Schuan Terra disse...

mt bom seu texto, gostei mesmo, bem interessante sua forma de contar historias pessoais e sentimentos

/+/ Rafael /+/ disse...

Vc escreve muito bem.

Laryssa Hallak disse...

Que lindo teu texto, amei.
Poisé, é o que eu tô passando também, tudo que eu escrevi lá... Medo de perder, é Foda ne?

estou de seguindo flor!

Luanne de Cássia disse...

Ei querida,
você tem talento!
Parabens.
Engraçado como ás vezes o que há dentro da gente se reflete por fora né?


beijos

aam-00 disse...

parabéns pelo texto,
muitas vezes nosso ego nos cega,
me identifiquei com o penúltimo paragrafo.
tbm deixo de fzr muitas coisas pq so eu vou ver mesmo.
http://www.sintoonize.com/

John disse...

meu, que bonito. gostei..

Prof Robson disse...

tristeza e solidão... imagens no espelho Dje. Ele se mostra o q ta na frente. Ta escrevendo muitooooooooooooooo menina!

Andy disse...

Eu A-M-E-I o texto. Amei de verdade, e reflete um pouco do que estou sentindo.

Henry Barros disse...

bonito texto =]
vc escreve bem =]

Francielle disse...

Muuuito bom :D
Parabéns!

Djessyka disse...

Awww, obrigada Fran, obrigada todo mundo!

Dudu.win7 disse...

Muito bom o texto
Parabens!

www.s10games.com

Postar um comentário

 

Bela Sopa Template by Ipietoon Blogger Template | Gadget Review